Semelhanças empreendedorismo e esporte

18 out O que empreendedorismo e esporte têm em comum?

Esporte e empreendedorismo estão muito relacionados. Desde a metodologia, métricas e disciplina até o esforço adicional e a paixão pelo que se faz, os dois precisam de foco, atingir objetivos, resiliência, constância e mentalidade ganhadora, entre outros atributos.

Neste artigo, você vai ver como a gestão – especialmente com a metodologia lean e os conceitos de OKR, KPI e outros – se aplica a atletas e empreendedores.

por José Gutierrez, empreendedor, acelerador do ACE Hub Sul e lutador no esporte (foi campeão de luta olímpica/wrestling) e na vida

wrestling-empreendedorismo

Metas, métodos e objetivos

 

Assim como uma startup que opera com base na metodologia lean, um esportista precisa de métricas e objetivos para contrastar hipóteses e melhorar o seu desempenho.

Quando falamos de alto rendimento, um atleta e um empreendedor necessitam de dados para saber se o trabalho esta sendo bem feito ou se deve mudar algum parâmetro, em definitiva é um trabalho de metodologia ágil baseado na ciência.

Em uma empresa

Os OKRs (Objective and Key Results) em uma empresa seriam a criação, aplicação de objetivos e resultados chave da organização, conectando empresa, equipe e objetivos de forma clara e transparente.

No esporte

No caso do esporte, posso dar o exemplo da luta olímpica (Nota da Redação: José Gutierrez chegou a ser campeão espanhol em wrestling).

Nós também tínhamos que saber nossas metas, clube, treinadores e lutadores, estando todos conectados. Eu sabia que esperavam de mim o clube e meu treinador, consequentemente colocava meus “OKRs” como por exemplo:

Minha meta era incrementar o meu estado físico com respeito ao trimestre anterior em 3%, melhorar minha defesa no combate recebendo zero pontos no último minuto ou aperfeiçoar taticamente para conseguir 1 ponto mínimo no último minuto de combate. Cada um destes objetivos tinha seus correspondentes resultados chaves – o que podemos correlacionar com os KPIs (Key Performance Indicators) das empresas.

man-exercising-with-barbells

Métricas e mercado

Como no esporte, toda startup tem que saber suas métricas para o sucesso, usadas para quantificar os resultados da estratégia, indicadores que nos servem para medir se estamos tendo sucesso ou não.

No caso da luta eram as competições regional, nacional e internacional: ser campeão regional e nacional, estar entre os 15 melhores de Europa e 10 melhores do mundo no próximo ano. E podemos fazer uma correlação aqui com o conhecimento sobre o mercado: no caso da luta olímpica, é mais fácil chegar entre os dez melhores do mundo do que entre os 15 europeus – o Leste da Europa possui um nível de competição muito elevado, então a chance de enfrentar um deles em um torneio europeu era maior, e por isso a meta mundial era mais ousada.

Poderíamos dizer que conhecíamos nosso mercado e atuamos em consequência colocando as metas no método SMART – específico, mensurável, alcançável, relevante e temporal, em português.

Iterações e resultados

Conseguimos atingir os KPIs? No primeiro ano, consegui em nível regional e nacional, mas não global. Por que?

Saber os motivos do seu sucesso ou do seu fracasso é fundamental na vida de um empreendedor. No caso, a forma de trabalhar a nível nacional era uma e a nível internacional era outra, percebemos isso e tivemos colocar novos OKRs porque os atuais não eram suficientes para competir com o resto do mundo, só serviam para competir a nível nacional.

O que nos aconteceu é mesma coisa que pode passar com uma empresa o mercado nacional é uma coisa muito diferente a comercializar a nível internacional, temos que selecionar quais países serão mais factíveis para uma primeira fase e quais serão para as seguintes e não depende tanto do tamanho senão da nossa capacidade e maturidade.

Também algumas coisas terão que ser mudadas para competir a um nível mais alto, com concorrentes diferentes e formas de pensar diferentes, pelo que é importante e competir muito bem nosso próprio mercado nacional. Internacionalizar antes de tempo fará a sua empresa perder uma luta que nunca devia começar por não estar preparada.

rugby-players-during-match

3 motivos para ter um esportista

Grandes empresas contratam serviços e consultorias de esportistas profissionais e ex-atletas por vários motivos, mas vamos destacar três das principais correlações entre esporte e gestão.

Atingir metas

Esportistas sabem colocar e alcançar metas, porque estão “programados” para isso, sua vida depende da consecução dos objetivos e não tem desculpa.

Mudar constantemente

A cada ano uma equipe ou um atleta têm que mudar aquelas coisas que não função por outras que tem sucesso baseadas nos dados. No esporte nunca se faz coisas do mesmo jeito porque cada ano todo é diferente: o concorrente evoluiu, tem novos concorrentes, novas metas a atingir.

Foco

Para ter sucesso no esporte é importante distinguir o que realmente é produtivo e vai gerar valor.

Felipe Collins Figueiredo
felipe@goace.vc

Felipe Collins Figueiredo é responsável pelo marketing da ACE, Melhor Aceleradora de Startups da América Latina e ecossistema completo de inovação para o empreendedor de alto impacto.



BrazilUSA