ACE campus party

07 fev Campus Party: o que aprendi sendo curador do Startup & Makers

Este foi meu terceiro ano na curadoria da área Startups & Makers, que existe a apenas quatro anos no maior encontro tecnológico (e empreendedor) da América Latina: a Campus Party.

Quero compartilhar o que vi, o que senti e quais são meus planos para o futuro.

Virei item de jogo, virei motivo de piada e virei o maior divulgador de startups.

A área Startups & Makers começa a ser pensada na mesma época que o evento começa a definir seus conteúdos e convidados. Alguns talvez demorem mais, mas eu levo cerca de 3 a 4 meses em todo o processo.

O Startups & Makers são vários eventos num só: exposição das startups (Early e Growth), Área de Workshop, Palco Startup & Makers e Mentorias.

É uma área viva, com coisas acontecendo ao mesmo tempo!

Antes de começar este ano, fiz três pedidos para a Carol Rodrigues, Diretora de Conteúdo da Campus Party: mais uma pessoa na curadoria (alô, Carol Piguin!), menos startups expondo e que a área Campus Future ficasse dentro do aquário do Startups & Makers.

Menos Startups

O número caiu de 200 empresas para 160 startups: 80 de Growth Stage e 80 de Early Stage.

Para mim, foi um upgrade para dar mais atenção e oportunidades aos empreendedores.

Este ano o mix foi interessante. Startups que eram Early subindo para Growth e muitos (mas muitos) novos entrantes na área.

Fiquei feliz de receber depoimento de empreendedores que já tiveram no ano passado dizendo que estavam abrindo espaço para novos. E como os novos aproveitaram!

Acredito que tivemos maior reconhecimento da mídia na área.

 

Campus Future integrada

 

Melhorou muito ter a área de projetos universitários, Campus Future, conosco na área Open.

Indiquei para a Campus Future, como curadora, a professora e defensora do mundo do empreendedorismo e da robótica, Juliana Caminha.

A galera da Campus Party aceitou a sugestão e ela fez um baita trabalho na área.

A integração das áreas foi um facilitador enorme. A inspiração mútua entre os futuros empreendedores e os demais expositores era perceptível.

Vi ali desde carros mais econômicos até projetos de robótica que estão prontos para adoção em massa. Incrível!

E foi tudo bom?

Não. Evento sempre tem treta.

Mas o que me deixou mais triste este ano não foi a Campus Party (pelo contrário, foi o melhor ano em organização e localização – thanks Carol Rodrigues e Ju Teodoro!), a treta é que ainda temos um longo caminho para que os empreendedores tenham menos ego e sejam mais profissionais.

Este ano foi o que eu mais me chateei com os empreendedores que iriam expor.

Egos enormes, ameaças de “xingar muito nas redes sociais” por besteiras, desatenção a instruções simples e o jeitinho brasileiro me irritaram mais do que eu esperava este ano. E olha que eram menos empreendedores.

É impressionante que, mesmo ganhando espaço no evento de graça, ainda tem alguns que acham que o evento tem deveres (pois é, ler o manual foi raridade).

Eu, como embaixador do evento, curador da área, educador de empreendedores e entusiasta do ecossistema de startups vejo que ainda tenho um longo trabalho pela frente. Rumo à maturidade coletiva do nosso mercado. Cada um colaborando com um pedaço.

Fica a dica: menos ego, mais ação e mais colaboratividade. Vamos juntos?

E lá se foram 3 anos…

 

Aconteceram várias mudanças desde que eu era mais um dos milhares de Campuseiros. Comecei fazendo evento pirata na arena.

A gente usava o Twitter para juntar empreendedores nos sofás. Nem havia área de Startups.

Neste tempo, o Colisões, workshop para ajudar empreendedores iniciantes a entrarem com o pé direito no mundo de startups, melhorou e foi para uma nova casa, a ACE.

Agora vou com ele por todo o Brasil! Cheguei a dar uma versão pocket dele na Campus Party. E desde lá meu contato e compromisso em profissionalizar o empreendedor de startups só aumenta.

A Campus Party mudou minha vida.

Conheci gente que carrego até hoje para minha vida pessoal e profissional. Aprendi muito neste tempo todo.

A cada ano é sempre um prazer estar no evento. Tanto que fui convidado para ser Embaixador do evento. Wow!

Sempre me empolga e emociona ouvir as histórias de negócios fechados, novas parcerias e do encantamento gerado pelas startups em vários players de mercado (e até do governo).

Ouvi do Luciano Palma, da Desquebre, que eu e a Campus Party fomos responsáveis por dar aquele empurrão que faltava no seu negócio, sensacional.

O que virá?

 

Eu continuarei envolvido com o evento, mas ainda preciso refletir sobre como será a área de Startups & Makers em 2018 e o que teremos de boas surpresas neste ano ao longo do Brasil.

Sugestões?

A próxima parada da Campus Party é Brasília.

Enquanto isto, continuo na minha saga de educar e ajudar empreendedores de startups com a ACE University e presencialmente com meu workshop, Colisões. Agora viajando o Brasil todo dando mentoria e treinamento.

É isso! Um ôooooo para você (campuseiros entenderão).

Equipe ACE
contato@goace.vc

A Equipe ACE é formada por profissionais multidisciplinares e apaixonados por empreendedorismo, inovação e startups :)



BrazilUSA